À esquerda degradê verde. Ao fundo, pessoa analisando gastos em uma mesa com anotações. No canto inferior direito, o logotipo da FM2S,
Gestão Financeira

20 de maio de 2024

Controle de gastos: o que é, tipos de como fazer

Você já se pegou olhando para os números do seu negócio e se perguntando onde exatamente o dinheiro está indo? Não está sozinho. Muitos empresários enfrentam o desafio de manter o controle de seus gastos, o que é fundamental para a saúde financeira de qualquer empresa. No ambiente de negócios de hoje, onde cada centavo conta, entender e gerenciar suas finanças pode ser a chave entre o sucesso sustentável e dificuldades financeiras inesperadas. 

Neste blog, abordaremos o que é essencialmente o que é controle de gastos, a sua importância, os tipos de controle de gastos e como fazer o controle de gastos para sua empresa.

Continue a leitura!

O que é o controle de gastos?  

O controle de gastos em empresas é uma prática financeira fundamental que envolve monitorar, registrar e ajustar as despesas para assegurar que não superem as receitas. Este processo permite que as empresas mantenham uma saúde financeira robusta ao identificar gastos excessivos e otimizar a alocação de recursos. 

Através de um controle de gastos eficaz, é possível reduzir custos desnecessários, realocar fundos para investimentos estratégicos e sustentar operações durante períodos de instabilidade econômica. Além disso, uma gestão financeira rigorosa facilita o planejamento de metas de curto e longo prazo, como expansão de mercado, aquisição de equipamentos ou inovação em produtos, e contribui para a construção de um negócio mais competitivo e resiliente. 

Engajar-se proativamente no controle de gastos permite às empresas melhorar sua performance atual, fortalecer sua capacidade de adaptação a mudanças no ambiente de negócios.

Qual a importância do controle de gastos?

O controle de gastos é vital para a saúde financeira e a sustentabilidade de qualquer empresa. Alguns pontos que destacam sua importância são:

  • Maximiza a lucratividade: controlar os gastos ajuda a reduzir custos desnecessários, permitindo que a empresa maximize seus lucros. A economia realizada pode ser reinvestida no negócio para impulsionar o crescimento e a inovação.
  • Melhora a eficiência operacional: ao monitorar e revisar regularmente onde o dinheiro está sendo gasto, as empresas podem identificar áreas onde os recursos não estão sendo utilizados de forma eficaz. Isso permite ajustes que melhoram a eficiência operacional.
  • Aumenta a estabilidade financeira: manter os gastos sob controle ajuda a empresa a evitar dívidas excessivas e a gerenciar melhor suas obrigações financeiras. Isso contribui para uma base financeira mais estável e reduz o risco de crises financeiras.
  • Facilita o planejamento e a previsão: um controle rigoroso dos gastos proporciona uma base sólida de dados financeiros, facilitando o planejamento e a previsão futuros. Isso ajuda os líderes empresariais a tomar decisões informadas e a planejar estrategicamente a longo prazo.
  • Aumenta a capacidade de investimento: com gastos controlados e uma gestão financeira sólida, a empresa pode ter mais capacidade para investir em novas oportunidades de mercado, tecnologia e capital humano, o que pode levar a um crescimento sustentável.
  • Aumenta a resiliência a flutuações de mercado: um tempo de incerteza econômica ou instabilidade de mercado, ter um controle efetivo dos gastos pode dar à empresa a flexibilidade necessária para se adaptar rapidamente a condições variáveis sem comprometer suas operações ou saúde financeira.
  • Estimula uma cultura de responsabilidade: promover o controle de gastos dentro de uma organização incentiva todos os funcionários a pensar cuidadosamente sobre como utilizam os recursos da empresa. Isso cria uma cultura de responsabilidade financeira e de valorização dos ativos da empresa.

Por este motivo, destacamos o curso gratuito de Fundamentos da excelência operacional da FM2, pensado para desenvolver habilidades cruciais em otimização de processos, inovação em operações e melhoria contínua, integrando de maneira eficaz pessoas, processos e tecnologia para elevar a eficiência de sua empresa ao máximo. 

Se você está em busca de maximizar a produtividade e se destacar no campo da excelência operacional, este curso proporciona uma base sólida para compreender os conceitos essenciais e aplicá-los na prática. Através de uma abordagem prática e linguagem acessível, você aprenderá a melhorar a qualidade, reduzir custos e realizar entregas mais eficazes, aumentando significativamente a produtividade. 

O conteúdo abrange desde o conceito de Excelência Operacional e seu contexto histórico, planejamento estratégico, gestão de equipes, até métodos específicos como Lean, Kaizen, 5S, VSM e TPM. Ao final do curso, você estará preparado para personificar a eficiência e excelência operacional em qualquer setor, transformando-se em um profissional altamente qualificado. Acesse agora!

Tipos de controle de gastos

Existem vários tipos de controle de gastos que as empresas e indivíduos podem utilizar para gerenciar eficientemente suas finanças. Cada um desses métodos de controle de gastos tem o potencial de melhorar a estabilidade financeira e aumentar a eficiência, seja no contexto pessoal ou empresarial.

Controle de gastos operacionais:

Este controle foca em despesas relacionadas às atividades diárias e essenciais de uma empresa. Inclui custos como salários dos funcionários, contas de energia elétrica, água, aluguel de instalações, e aquisição de matérias-primas necessárias para a produção. O objetivo é identificar áreas onde é possível otimizar processos ou negociar melhores condições para reduzir esses custos sem comprometer a qualidade ou a eficiência operacional.

Controle de gastos de capital:

Gerenciar despesas de capital envolve avaliar e planejar gastos significativos em ativos que trarão benefícios a longo prazo, como a compra de maquinário, investimentos em tecnologia ou a aquisição de novas instalações. Este controle exige uma análise cuidadosa de custo-benefício e planejamento para assegurar que os investimentos estejam alinhados com os objetivos estratégicos da empresa e que haja retorno financeiro adequado.

Controle de gastos variáveis:

Este tipo de controle é vital para empresas que têm custos que flutuam em função do volume de produção ou venda. Envolve monitorar itens como custos de matérias-primas que variam com a produção, custos de mão de obra direta, e outras despesas operacionais que não são fixas. O gerenciamento eficaz ajuda a manter a lucratividade ao ajustar esses custos em resposta a mudanças na demanda ou na oferta.

Controle de gastos fixos:

Os gastos fixos não variam com as mudanças nas atividades de negócios, o que os torna previsíveis, mas também significa que eles podem rapidamente consumir uma grande parte das receitas, especialmente em tempos de baixa venda. Controlar esses custos envolve garantir que permaneçam constantes e justificáveis, buscando eficiência em contratos de longo prazo, como aluguéis ou serviços de manutenção.

Controle de custos por departamento:

Alocar orçamentos específicos para cada departamento incentiva a responsabilidade e promove uma gestão financeira mais detalhada. Cada líder de departamento é responsável por manter os gastos dentro do orçamento, incentivando decisões mais conscientes e uma análise mais crítica sobre a necessidade e eficácia dos gastos.

Controle de gastos pessoais:

No âmbito pessoal, este controle implica na gestão de todas as despesas cotidianas. Utilizar ferramentas como aplicativos de orçamento pode ajudar a visualizar onde o dinheiro está indo e identificar áreas para economia. A criação de um orçamento mensal e o monitoramento contínuo são essenciais para manter a saúde financeira pessoal.

Controle de gastos por projeto:

Em indústrias que operam baseadas em projetos, como construção e desenvolvimento de software, é crucial monitorar os custos associados a cada projeto individualmente. Este controle ajuda a garantir que cada projeto não apenas permaneça dentro do orçamento, mas também seja lucrativo, identificando desvios cedo e permitindo ajustes em tempo real.

Como fazer o controle de gastos na sua empresa?

Controlar os gastos de uma empresa é crucial para manter a saúde financeira e garantir sua sustentabilidade a longo prazo. Para isso, siga essa sugestão:

1. Estabeleça um orçamento claro

Definição de objetivos: inicie com uma clara compreensão dos objetivos financeiros da empresa, como aumentar a margem de lucro, reduzir dívidas ou expandir operações. Esses objetivos direcionarão todas as decisões orçamentárias.

Categorização de despesas: identifique todas as despesas recorrentes e eventuais. Categorize-as em fixas (aluguel, salários, serviços continuados) e variáveis (matéria-prima, comissões, marketing). Isso ajuda a entender onde o dinheiro está sendo gasto.

Elaboração do orçamento: desenvolva um orçamento detalhado que inclua previsões de receitas e limites de gastos por categoria. Use dados históricos para informar suas previsões. O orçamento deve ser revisado e ajustado regularmente para refletir a realidade operacional e as mudanças no ambiente de negócios.

2. Implemente um sistema de contabilidade eficiente

Software de contabilidade: adote um software de contabilidade que se integre bem com outros sistemas da empresa, como vendas e folha de pagamento, para um registro preciso e automatizado das transações financeiras.

Atualizações regulares: mantenha os registros financeiros atualizados diariamente ou semanalmente. Isso reduz o risco de erros e fornece uma visão atualizada da posição financeira da empresa.

3. Monitore os gastos regularmente

Revisões periódicas: agende revisões regulares dos relatórios financeiros para monitorar como os gastos reais se comparam com o orçamento planejado. Essas revisões podem destacar áreas de preocupação onde os custos podem estar superando o esperado.

Ajustes no orçamento: seja proativo ao ajustar o orçamento em resposta a desvios significativos ou mudanças inesperadas nas condições de mercado, como alterações nos custos de materiais ou novas oportunidades de investimento.

4. Reduza custos desnecessários

Análise de custos: realize auditorias de custos regulares para identificar ineficiências ou gastos excessivos. Isso pode incluir a renegociação de contratos existentes ou a substituição de fornecedores que não oferecem um bom custo-benefício.

Negociação com fornecedores: cultive relações fortes com fornecedores e não hesite em negociar melhores termos sempre que possível, aproveitando volumes de compra ou contratos de longo prazo para obter descontos.

5. Use indicadores de desempenho

KPIs financeiros: estabeleça indicadores-chave de desempenho específicos, como custo por unidade produzida, lucratividade por produto ou eficiência de despesas operacionais. Monitore esses KPIs regularmente para garantir que as práticas de gastos estejam alinhadas com os objetivos estratégicos da empresa.

Relatórios de desempenho: utilize relatórios detalhados para analisar tendências de gastos, identificar padrões sazonais e tomar decisões informadas baseadas em dados concretos.

6. Cultive uma cultura de consciência de custos

Treinamento de funcionários: invista em programas de treinamento que ensinem os funcionários sobre a importância de uma gestão financeira eficiente e como suas ações podem impactar os resultados da empresa.

Políticas de gastos: implemente políticas claras de gastos que todos os funcionários devem seguir, incluindo procedimentos para aprovação de despesas e limites de gastos para diferentes níveis ou departamentos.

7. Avalie investimentos

ROI (Retorno Sobre Investimento): antes de realizar qualquer investimento significativo, avalie seu potencial retorno. Análise como e quando o investimento se pagará e qual será seu impacto na liquidez da empresa.

8. Planejamento de fluxo de caixa

Previsão de fluxo de caixa: desenvolva projeções de fluxo de caixa que ajudem a prever necessidades futuras de caixa. Isso é vital para evitar surpresas financeiras e para planejar investimentos e expansões de maneira sustentável.

9. Utilize tecnologia

Ferramentas de gestão financeira: adote tecnologias que possam otimizar o processo de controle de gastos, como sistemas ERP (Planejamento de Recursos Empresariais) que integram processos financeiros com outras áreas da empresa.

Dicas para o controle de gastos

Para manter um controle financeiro eficiente em sua empresa, é fundamental adotar algumas práticas essenciais. Seguindo essas dicas, você pode estabelecer um controle de gastos mais robusto e eficiente para sua empresa, garantindo uma base sólida para o crescimento sustentável e a estabilidade financeira.

Separe as finanças pessoais das empresariais:

Manter separadas as finanças pessoais das empresariais é crucial para uma gestão clara e eficiente. Isso implica ter contas bancárias e meios de pagamento distintos para cada esfera. Esta separação facilita a análise de desempenho da empresa e protege os ativos pessoais de possíveis problemas financeiros do negócio. Adicionalmente, simplifica o processo de declaração de impostos e a prestação de contas.

Defina clareza nas finanças da empresa:

Certificar-se de que cada transação financeira seja corretamente categorizada ajuda a manter a integridade dos registros financeiros. Isso é essencial para a preparação de relatórios precisos, que são fundamentais na hora de atrair investidores ou ao solicitar financiamentos.

Registre todas as transações diariamente:

A consistência no registro diário de receitas e despesas previne discrepâncias e perda de informações financeiras importantes. Utilizar planilhas ou software de contabilidade facilita esse processo e permite uma revisão eficiente das finanças. Além disso, a prática de atualizar esses registros regularmente ajuda a identificar rapidamente áreas de preocupação financeira.

Mantenha um registro detalhado do fluxo de caixa

O fluxo de caixa é como um termômetro para o faturamento da sua empresa, indicando a saúde financeira do negócio. É crucial atualizar e revisar esse registro frequentemente — seja semanal, quinzenal ou mensalmente — para garantir que todos os dados estejam sempre atualizados e reflitam a real situação financeira da empresa.

Monitore os índices de liquidez

O índice de liquidez é um indicador que mostra a capacidade da empresa de pagar suas dívidas. Ele é calculado dividindo-se os ativos líquidos (o que a empresa pode transformar rapidamente em dinheiro) pelos passivos circulantes (dívidas e obrigações a curto prazo). Um índice acima de 1 indica que a empresa possui mais ativos líquidos do que dívidas de curto prazo, o que é um bom sinal.

Análise regular das finanças:

A análise regular verifica a precisão dos registros e proporciona insights sobre tendências de gastos e potenciais áreas para redução de custos. Esta prática deve ser incorporada como uma rotina mensal ou trimestral, dependendo do volume de transações da empresa.

Implemente um sistema de controle orçamentário:

Criar e seguir um orçamento permite que a empresa tenha previsões financeiras claras e gerencie recursos com maior responsabilidade. O orçamento deve ser flexível o suficiente para adaptar-se às mudanças no ambiente de negócios, mas rígido o bastante para impedir gastos excessivos.

Reduza custos desnecessários

Análise de custos: realize auditorias de custos regulares para identificar ineficiências ou gastos excessivos. Isso pode incluir a renegociação de contratos existentes ou a substituição de fornecedores que não oferecem um bom custo-benefício.

Negociação com fornecedores: cultive relações fortes com fornecedores e não hesite em negociar melhores termos sempre que possível, aproveitando volumes de compra ou contratos de longo prazo para obter descontos.

Utilize software de gerenciamento financeiro:

À medida que a empresa cresce, a complexidade das transações financeiras pode aumentar. Investir em um software de gerenciamento financeiro robusto pode automatizar muitos dos processos tediosos, fornecer relatórios detalhados e ajudar na conformidade regulatória. Ferramentas como o QuickBooks ou o Xero oferecem funcionalidades que vão desde faturamento até reconciliação bancária.

Educação financeira contínua:

Promover a educação financeira entre os gestores e a equipe financeira é fundamental para manter práticas de controle de gastos eficazes. Isso pode incluir treinamentos internos, participação em workshops ou cursos especializados. Manter-se atualizado com as melhores práticas e novas tecnologias na gestão financeira pode transformar significativamente a eficiência do controle de gastos.

Planejamento de fluxo de caixa

Previsão de fluxo de caixa: desenvolva projeções de fluxo de caixa que ajudem a prever necessidades futuras de caixa. Isso é vital para evitar surpresas financeiras e para planejar investimentos e expansões de maneira sustentável.

Leia mais:

Equipe FM2S

Equipe FM2S

A FM2S Educação acelera a carreira profissional de seus alunos