projeto
Gestão de Projetos

26 de novembro de 2023

Estrutura Analítica de Projeto (EAP): O que é?

Você já se sentiu perdido ao gerenciar um projeto? Com tantas tarefas e detalhes, parece uma verdadeira odisseia manter tudo sob controle. É aqui que entra a EAP, ou Estrutura Analítica de Projeto. 

Vamos entender neste artigo mais sobre essa ferramenta poderosa, entender como ela pode transformar a gestão de projetos e explorar exemplos práticos que a tornarão mais clara do que nunca.

O que é EAP - Estrutura Analítica de Projeto?

A Estrutura Analítica de Projeto (EAP) emerge como uma ferramenta indispensável na gestão de projetos, desempenhando um papel crucial na organização e execução eficaz de tarefas complexas. 

A EAP - Estrutura Analítica de Projeto - é uma abordagem visual que desmembra um projeto em partes menores, oferecendo uma visão detalhada e estruturada das atividades envolvidas. 

Cada "pacote de trabalho" representa uma unidade gerenciável, contribuindo para o alcance bem-sucedido do projeto como um todo. Essa decomposição hierárquica proporciona clareza e compreensão, fundamentais para uma gestão eficiente.

A história da EAP remonta à década de 1960, quando a necessidade de lidar com projetos complexos exigiu uma abordagem mais sistemática. 

A técnica foi desenvolvida como parte do método PERT (Program Evaluation and Review Technique) durante o projeto Polaris, um programa de mísseis nucleares dos EUA. 

Desde então, a EAP evoluiu, tornando-se uma ferramenta central em diversas disciplinas, desde a engenharia até a gestão de TI.

No cerne da EAP está a ideia de quebrar o escopo do projeto em partes menores, facilitando o entendimento e a gestão. Cada nível da hierarquia representa um grau maior de detalhamento, permitindo uma análise minuciosa das tarefas envolvidas. Essa estrutura proporciona não apenas uma visão clara do projeto, mas também uma base sólida para o planejamento, execução e controle.

Com o avanço da tecnologia, a EAP não apenas sobrevive, mas prospera na era digital. Ferramentas modernas de gerenciamento de projetos integraram a EAP, possibilitando uma colaboração mais eficaz e atualizações em tempo real. Essa evolução contínua garante que a EAP permaneça relevante em um cenário empresarial dinâmico e em constante transformação.

ebook projetos

Quais são os tipos de EAP?

Ao adentrarmos no vasto terreno da Gestão de Projetos, é crucial compreender os diferentes modelos de Estrutura Analítica de Projeto (EAP) disponíveis. Cada modelo oferece uma abordagem única para desdobrar e organizar tarefas, proporcionando flexibilidade para atender às demandas específicas de diversos projetos. 

EAP por Entregas

O modelo de EAP por entregas concentra-se nos resultados finais do projeto. Cada entrega, ou resultado, é desmembrada em subentregas, proporcionando uma visão clara do que precisa ser alcançado. Essa abordagem é particularmente eficaz em projetos onde os resultados tangíveis são cruciais para a avaliação do sucesso.

EAP por Fases

Na EAP por fases, como o próprio nome sugere, o projeto é dividido em diferentes fases distintas. Cada fase representa uma etapa crítica na evolução do projeto e é subdividida em atividades específicas. Essa abordagem é valiosa para projetos que exigem uma sequência clara de desenvolvimento, permitindo um controle mais eficiente em cada etapa.

EAP por Equipe

O modelo de EAP por equipe organiza as tarefas com base nas habilidades e competências das equipes envolvidas. Cada equipe é atribuída a conjuntos específicos de atividades, garantindo que as responsabilidades estejam alinhadas com as capacidades individuais. Isso promove uma distribuição eficiente de recursos e otimiza a expertise disponível.

EAP por Subprojetos

Na abordagem de EAP por subprojetos, o projeto é dividido em subprojetos menores e mais gerenciáveis. Cada subprojeto é tratado como uma entidade independente, mas sua integração é fundamental para o sucesso do projeto como um todo. Essa estratégia é particularmente útil em projetos complexos que envolvem diversas áreas de especialização.

EAP Híbrida

O modelo híbrido de EAP combina elementos de diferentes abordagens, oferecendo flexibilidade e adaptabilidade. Pode envolver a combinação de EAP por fases com EAP por equipe, por exemplo. Essa versatilidade permite que as organizações personalizem a estrutura de acordo com as necessidades específicas de cada projeto, proporcionando uma abordagem sob medida.

Escolhendo a abordagem certa para o sucesso

Em conclusão, a seleção do modelo de EAP mais apropriado depende das nuances de cada projeto. Seja enfocando resultados finais, dividindo o projeto em fases distintas, organizando por equipe, subprojetos ou adotando uma abordagem híbrida, a escolha estratégica da EAP é fundamental para o sucesso na gestão de projetos. 

Cada modelo oferece uma perspectiva única, permitindo que gestores e equipes adaptem suas estratégias para atender às demandas específicas de cada empreendimento.

Qual a diferença entre EAP, escopo e cronograma?

Na complexidade do domínio da gestão de projetos, três elementos cruciais se destacam: a Estrutura Analítica de Projeto (EAP), o Escopo e o Cronograma. É muito comum acreditar que os três são a mesma coisa, mas não são. Compreender as diferenças fundamentais entre esses elementos é vital para a execução eficaz e bem-sucedida de qualquer empreendimento, afinal, os três são presentes em qualquer projeto. 

EAP

A Estrutura Analítica de Projeto (EAP) é uma ferramenta visual que desmembra o projeto em partes menores, oferecendo uma visão hierárquica e estruturada das tarefas envolvidas. 

Ela não descreve as atividades em termos de tempo, mas fornece uma compreensão profunda da organização e relacionamentos entre as diferentes partes do projeto.

Escopo

escopo, por sua vez, é a definição clara e abrangente dos objetivos, entregas e limites do projeto. Ele estabelece o que será realizado, quem estará envolvido e quais critérios serão utilizados para avaliar o sucesso. 

O escopo é a espinha dorsal que conecta a visão geral do projeto à execução concreta, determinando o que está incluído e excluído no trabalho a ser realizado.

Cronograma

Enquanto a EAP fornece a estrutura detalhada e o escopo define o que precisa ser feito, cronograma entra em cena para determinar quando cada atividade será executada. 

Ele é uma representação temporal do projeto, destacando o início e o término de cada tarefa, as dependências entre elas e a alocação de recursos ao longo do tempo. 

O cronograma é a ferramenta que traduz a visão conceitual do projeto em uma linha do tempo prática e gerenciável.

Distinções Cruciais: EAP vs. Escopo vs. Cronograma

Natureza e Propósito:

  • EAP: Estrutura visual que desmembra o projeto em partes gerenciáveis.
  • Escopo: Define o que será realizado, quem está envolvido e critérios de sucesso.
  • Cronograma: Representação temporal das atividades do projeto.

Foco Temporal:

  • EAP: Não aborda o tempo; concentra-se na estrutura e relacionamentos.
  • Escopo: Temporal apenas no sentido de estabelecer o início e o fim do projeto.
  • Cronograma: Centrado no tempo, destacando a sequência e duração das atividades.

Nível de Detalhe:

  • EAP: Detalha a estrutura hierárquica do projeto.
  • Escopo: Fornece uma visão geral detalhada dos objetivos.
  • Cronograma: Detalha a sequência e a duração de cada atividade.

Dicionário EAP: O que deve conter em uma EAP?

Uma EAP é mais do que uma simples representação visual. Ela é um mapa detalhado que desmembra um projeto em partes gerenciáveis, proporcionando uma visão clara e hierárquica de todas as atividades envolvidas e é aí que entra o Dicionário EAP.

O Dicionário EAP é uma compilação de termos, códigos, e descrições que são usados na elaboração e interpretação de uma Estrutura Analítica de Projeto. Cada termo tem uma função específica na EAP, proporcionando clareza e consistência na comunicação entre os membros da equipe, stakeholders e demais envolvidos no projeto.

Basicamente, o dicionário EAP tem a função de explicar cada elemento do próprio EAP, facilitando o entendimento por todas as partes envolvidas. Os elementos do EAP são: 

Elemento 1: Pacotes de Trabalho

No coração de uma EAP estão os pacotes de trabalho. Cada pacote representa uma unidade gerenciável de atividades que contribui para a realização de uma entrega específica no projeto. 

Esses pacotes são a espinha dorsal da estrutura, proporcionando a base para a decomposição hierárquica do projeto. Eles podem variar em escopo e complexidade, mas cada um é essencial para o cumprimento dos objetivos do projeto.

Elemento 2: Níveis Hierárquicos

A EAP é caracterizada por uma hierarquia distintiva. Essa estrutura em camadas permite a representação de diferentes níveis de detalhamento. 

Desde as fases principais do projeto até as tarefas específicas, os níveis hierárquicos oferecem uma visão progressiva e organizada das atividades, facilitando a compreensão e o gerenciamento eficiente.

Elemento 3: Códigos de Identificação

Cada elemento na EAP é identificado por códigos exclusivos. Esses códigos, muitas vezes alfanuméricos, fornecem uma referência única para cada pacote de trabalho, facilitando a comunicação e o rastreamento. 

Os códigos de identificação são essenciais para evitar ambiguidades e garantir que todos os envolvidos compreendam claramente a estrutura.

Elemento 4: Descrições de Tarefas e Entregas

Cada pacote de trabalho na EAP é acompanhado por descrições detalhadas de tarefas e entregas associadas. Essas descrições fornecem informações essenciais sobre o que é necessário realizar em cada fase do projeto. 

Elas atuam como guias detalhados para a execução do trabalho, garantindo que todos os membros da equipe entendam claramente suas responsabilidades.

Elemento 5: Relacionamentos e Dependências

A EAP destaca os relacionamentos e dependências entre os diferentes pacotes de trabalho. Essa visualização clara é crucial para entender como as atividades se interconectam e impactam umas às outras. 

Identificar dependências é fundamental para evitar atrasos e garantir uma execução fluida do projeto.

Elemento 6: Recursos Alocados

Cada pacote de trabalho na EAP é associado a recursos específicos, sejam eles humanos, materiais ou financeiros. 

Essa alocação de recursos permite um planejamento eficiente e uma distribuição equitativa das responsabilidades. Além disso, ajuda na identificação de possíveis gargalos ou áreas que requerem atenção especial.

Como é feita uma EAP?

Até aqui, você já entendeu o que é uma EAP, mas nada mais fácil para absorver conceitos do que um exemplo, não é mesmo?

Para você entender melhor como é feito uma EAP, vamos analisar o passo a passo uma EAP aplicada a um projeto fictício de desenvolvimento de um website corporativo. 

Esta EAP fornecerá uma visão hierárquica das atividades envolvidas, desde as fases principais até as tarefas específicas.

Nível 1: Fases Principais do Projeto

Planejamento Inicial (Fase 1):

Na fase inicial de um projeto de desenvolvimento de website, a ênfase está na definição clara dos objetivos e requisitos. Isso inclui estabelecer o propósito do website, identificar as metas específicas que se espera atingir e determinar os requisitos funcionais e não funcionais. 

O foco está na compreensão abrangente do que o projeto visa alcançar e nas necessidades que deve satisfazer.

1.1 Definição de Objetivos e Requisitos

1.2 Análise de Stakeholders

1.3 Orçamento e Recursos Necessários

Design (Fase 2):

Na fase de design, a arquitetura de informação é fundamental. Aqui, concentra-se na estrutura organizacional do website, mapeando como as informações serão apresentadas e navegadas. 

Isso envolve a análise do fluxo de informações, a criação de mapas de navegação e a definição da estrutura que proporcionará uma experiência intuitiva ao usuário.

2.1 Arquitetura de Informação

2.2 Design de Interface do Usuário (UI)

2.3 Design de Experiência do Usuário (UX)

Desenvolvimento (Fase 3):

Na fase de desenvolvimento, a implementação do frontend ganha destaque. Isso engloba a criação da interface do usuário visível para os usuários finais. O trabalho inclui transformar os designs concebidos na fase anterior em código, garantindo que a aparência e a interatividade estejam alinhadas com as expectativas e requisitos estabelecidos.

3.1 Implementação do Frontend

3.2 Desenvolvimento do Backend

3.3 Integração de Banco de Dados

Testes (Fase 4):

Os testes de funcionalidade são cruciais para garantir que o website cumpra os requisitos estabelecidos. Nesta fase, cada função e recurso são minuciosamente testados para identificar e corrigir possíveis falhas. Isso inclui garantir que botões funcionem conforme o esperado, formulários sejam submetidos corretamente e todas as funcionalidades respondam aos comandos do usuário de maneira adequada.

4.1 Testes de Funcionalidade

4.2 Testes de Usabilidade

4.3 Correções e Ajustes

Implementação (Fase 5):

Na fase de implementação, o foco está no lançamento efetivo do website. Isso envolve a execução de todas as etapas preparatórias para a disponibilização do website ao público. Além disso, inclui treinamento de usuários, para garantir que a transição seja suave, e o estabelecimento de um monitoramento pós-lançamento para identificar possíveis melhorias e correções.

5.1 Lançamento do Website

5.2 Treinamento de Usuários

5.3 Monitoramento Pós-Lançamento

Nível 2: Dependências

A partir desse ponto, a complexidade da estrutura analítica do seu projeto aumentará um pouco, conforme o escopo do projeto. O segundo nível da sua EAP incluirá as subtarefas, também chamadas de dependências, da sua tarefa principal.

Exemplo Detalhado para a Fase de "Design (Fase 2)":

2. Design (Fase 2):

2.1 Arquitetura de Informação

2.1.1 Análise de Fluxo de Informação

2.1.2 Criação de Mapas de Navegação

2.2 Design de Interface do Usuário (UI)

2.2.1 Esboços de Layout

2.2.2 Escolha de Cores e Tipografia

2.3 Design de Experiência do Usuário (UX)

2.3.1 Prototipagem de Interação

2.3.2 Testes de Usabilidade Preliminares

Nível 3: Tarefas Específicas ou Subtarefas

No terceiro nível da EAP, as interdependências serão desdobradas em elementos fundamentais, que denominamos subinterdependências. Nessa fase inicial do ciclo de vida do projeto, você especificará as subtarefas com o máximo de detalhamento possível. Essas subtarefas têm o potencial de simplificar o percurso que culminará na realização de todos os entregáveis necessários.

Exemplo Detalhado para "Escolha de Cores e Tipografia (Tarefa 2.2.2)":

2.2.2 Escolha de Cores e Tipografia:

2.2.2.1 Pesquisa de Tendências de Design

2.2.2.2 Seleção de Paleta de Cores Corporativas

2.2.2.3 Escolha de Tipografia Adequada

2.2.2.4 Criação de Estilos de Botões e Elementos

Esta EAP proporciona uma visão clara e estruturada do projeto de desenvolvimento de um website corporativo. Cada nível oferece um detalhamento progressivo, permitindo uma gestão eficaz e uma compreensão abrangente das atividades envolvidas em cada fase do projeto.

Conclusão

A EAP é o seu mapa para o sucesso do projeto. Ao desmembrar tarefas, definir responsabilidades e manter o controle, você estará navegando por águas mais tranquilas em direção à conclusão bem-sucedida. Portanto, da próxima vez que se deparar com um projeto desafiador, lembre-se da EAP - seu guia confiável na jornada para o sucesso.

Leia Mais:

Alexandre Queiroz

Alexandre Queiroz

Alexandre Mazzini, aluno da UNICAMP em Tec. Controle Ambiental. Especialização em Mídias Sociais e SEO, atua no setor de marketing da FM2S como redator para conteúdo web e analista SEO para blogs.